- PUBLICIDADE -

Inicia a elaboração do projeto Parque Inundável Multiuso

O espaço será construído em toda área de várzea da bacia, que está hoje ocupada pela rizicultura no município de Camboriú

Publicado em

- PUBLICIDADE -

VEJA TAMBÉM

Como a cannabis medicinal tem ajudado famosos e não famosos

A Huniq, empresa de cannabis medicinal instalada em Itajaí, é responsável pelo tratamento das quatro histórias apresentadas nessa reportagem
parqueinundavel divulgacao
Divulgação

A bacia do Rio Camboriú tem vivenciado diversos problemas relacionados aos recursos hídricos, principalmente as inundações em períodos de cheia e a falta de água para abastecimento público em períodos de estiagem. Para solucionar esses problemas, a Empresa de Água e Saneamento de Balneário Camboriú (EMASA) iniciou no mês de maio a elaboração do projeto do Parque Inundável Multiuso. O espaço será construído em toda área de várzea da bacia, que está hoje ocupada pela rizicultura no município de Camboriú.

Nos últimos dez anos, a EMASA elaborou diversos projetos para solucionar esses problemas, entre eles a construção de quatro barragens na bacia e até a transposição do Rio Itajaí Mirim, mas ambos teriam um custo bem elevado e muitos impactos ambientais. A ideia do Parque Inundável foi sugerida pelo Comitê da Bacia Hidrográfica do Rio Camboriú e foi tida como a solução mais eficiente para os dois momentos extremos do Rio Camboriú: estiagem e cheia. A EMASA contratou através de licitação uma empresa de Porto Alegre, que nos próximos oito meses fará o projeto executivo do Parque Inundável, junto com o licenciamento e pacote técnico para licitação da obra.

Além de aumentar a disponibilidade hídrica e deter as vazões de cheias, o projeto também será um espaço para uso recreativo e de conservação ambiental dessa área. “O objetivo principal do projeto é aumentar a disponibilidade hídrica para 1250 l/s, para não ter risco de falta no abastecimento. Hoje, a vazão de estiagem que temos como garantida é de 500 l/s, a nossa demanda no verão é o dobro, 1000 l/s. Outro objetivo é deter vazão de cheias, para não inundar as áreas de várzea urbanizadas e também para o uso recreativo e de conservação dessa área”, comentou o engenheiro da EMASA, Felippo Brognoli.


COMENTE ABAIXO ⬇

Telegram: participe do canal do Click Camboriú

✉ NEWSLETTER

Receba notícias de Balneário Camboriú e região em seu e-mail.

⚠ Confirme na próxima tela e ative o cadastro em seu e-mail.
- PUBLICIDADE -

VEJA TAMBÉM

Imobiliária de Balneário Camboriú aluga imóvel em até 30 dias ou paga o condomínio

A imobiliária promete alugar o imóvel em até 30 dias, ou pagar o condomínio ao proprietário
- PUBLICIDADE -