Click Camboriú Blogs Olho Crítico Aprovada em BC, lei que proíbe canudo criou efeito contrário no Rio...

Aprovada em BC, lei que proíbe canudo criou efeito contrário no Rio de Janeiro

Comerciantes trocaram canudinhos por copos e garrafas plásticas com medo de multa

🕗 Publicado

em

- Publicidade -

NEWSLETTER

Receba diariamente nossas notícias por e-mail.

Imagem ilustrativa

Na noite desta terça-feira, 13.fev2019, os vereadores de Balneário Camboriú aprovaram o projeto de lei que proíbe a utilização e o fornecimento de canudos de plástico em bares, restaurantes e similares. Uma reportagem do jornal Metro, publicada há quatro meses, mostra que lei semelhante aprovada no estado do Rio de Janeiro acabou criando efeito contrário: Comerciantes trocaram canudinhos por copos e garrafas plásticas com medo de multa.

Veja a reprodução da reportagem na íntegra:

Proibição de canudos cria efeito contrário

A medida era uma alternativa que deveria ajudar a melhorar o meio ambiente, mas, agora, gera preocupação. Os comerciantes do Rio têm tido dificuldades para encontrar o canudo de papel biodegradável nos centros de distribuição.

Há dois meses, a prefeitura sancionou uma lei que proíbe o uso dos canudinhos de plástico, só que os fabricantes ainda não conseguiram se adaptar e os novos modelos estão em falta. “A procura é até grande, só que as fábricas ainda não têm para distribuir e a gente fica sem o material”, reclamou Maurício Ferreira, gerente de loja.

O preço também assusta: um pacote com mil unidades de canudos biodegradáveis custa R$ 170. O de plástico, com a mesma quantidade, sai a R$ 6. “Não compensa comprarmos um canudo, ainda que seja caro, e eu ser obrigada a aumentar o valor do meu produto”, disse a empresária Rosana Monteiro.

A multa para quem descumprir a lei varia de R$ 650 a R$ 6 mil. Para evitar a punição e por causa da escassez e do valor mais alto do produto adequado, alguns donos de barracas e ambulantes pensam em substituir os canudos proibidos por outros objetos de plástico, como copos e garrafas. Uma medida que não ajuda em nada na proteção da natureza, já que esses materiais demoram mais de 200 anos para se decompor.

O autônomo Carlos Nogueira não concorda com a ideia, mas já cogita a possibilidade. “Tudo o que é ecologicamente correto a gente apoia, mas foi mudado na base da caneta e não teve tempo de adaptação”, criticou.

Canudo próprio para os consumidores que desejam tomar, por exemplo, uma água de coco sem problemas, a dica é usar o próprio canudo reutilizável. “Tenho várias amigas que compraram canudo de metal, de bambu. Estou pensando em fazer isso, porque, às vezes, você recebe uma latinha na rua e não sabe o que fazer. Muito mais tranquilo para a natureza e a gente não fica fazendo tanto lixo por aí”, opinou a jornalista Paola Sidney.


COMENTE ABAIXO ⬇
- Publicidade -

ESPECIAL

Mais de 50 rótulos de cerveja ganham vitrine no Balneário Beer Week

O mundo cervejeiro vai invadir o Balneário Shopping a partir desta quinta-feira, 23

4º Balneário Beer Week traz cultura cervejeira ao Balneário Shopping

De 23 e 26 de maio, o 4º Balneário Beer Week trará uma programação especial envolvendo cervejarias da região, música e outras atrações ao Balneário Shopping

Balneário Shopping apresenta BS Hall para mercado de eventos

O BS Hall já é o endereço consagrado de eventos que levam a marca do Balneário Shopping
Publicidade