Após 24 horas encurralado na sacada, homem que matou namorada se rende

Ele ameaçava saltar e tirar a própria vida, mas após um dia inteiro de negociação, foi vencido pelo cansaço

Publicado em

- Publicidade -

VEJA TAMBÉM

Maior edifício da América Latina tem elevador residencial mais rápido do Brasil

Com capacidade de se deslocar seis metros por segundo, o elevador poderá percorrer em menos de um minuto os 81 andares do Yachthouse
Especial / Click Camboriú

O advogado Paulo de Carvalho Souza, 42 anos, finalmente se rendeu, após ficar encurralado na sacada de seu apartamento por cerca de 24 horas. Ele ameaçava saltar e tirar a própria vida, mas após um dia inteiro de negociação, foi vencido pelo cansaço.

O homem matou sua namorada, a também advogada Lucimara Stasiak, de 29 anos, na última quinta-feira (28) durante uma briga. Ele deferiu diversos golpes de faca, em um suposto surto psicótico. À polícia, disse que pensou que estava esfaqueando aranhas.

Ele manteve o corpo escondido até o assassinato ser descoberto nesta terça-feira (2), quando levantou suspeitas ao transportar diversos pacotes de gelo para dentro do apartamento. O síndico acionou a policia, e desde então, Paulo permaneceu encurralado na sacada do apartamento até às 18h desta quarta-feira (3).

Havia ainda a suspeita de que o homem tivesse esquartejado a mulher, com o propósito de se livrar mais facilmente do corpo, mas a informação não foi confirmada. O corpo de Lucimara foi visualizado inteiro, com diversas facadas.

A negociação foi bastante tensa, pois o homem permaneceu irredutível durante todo o tempo. O negociador ficou tentando convencê-lo a se entregar durante toda a madrugada, e durante a tarde chegou a ficar por vários minutos sentado na sacada com os pé para fora. Mas foi somente depois do sol se pôr novamente, vencido pelo esgotamento, que se entregou.

A emergência mobilizou diversas guarnições e toda a movimentação policial chamou bastante a atenção dos curiosos, que dificultaram o trabalho da polícia, incitando que o autor do feminicídio se jogasse do sétimo andar do edifício Ilha Paquetá.

A ocorrência ganhou repercussão nacional, apesar da imprensa ter seu trabalho prejudicado, pois a polícia não considerou que os profissionais da comunicação estavam ali com o objetivo de obter informações e acompanhar o desfecho, expulsando-os do perímetro juntamente com os demais curiosos.

"Ele disse que estava esfaqueando aranhas", conta Cel. Alexandre.

Posted by Click Camboriú on Wednesday, April 3, 2019

Negociação já dura 12 horas.(Desculpem pelo áudio. Probleminha técnico. Não captou o áudio do microfone, e o som ficou ruim.)

Posted by Click Camboriú on Wednesday, April 3, 2019

COMENTE ABAIXO ⬇

✉ NEWSLETTER

Receba notícias de BC, Camboriú e Itajaí todos os dias em seu e-mail.

Confirme seu cadastro na próxima tela e ative o cadastro em seu e-mail.
- Publicidade -

VEJA TAMBÉM

Gincana interescolar de BC visa aumentar o aproveitamento do resíduo reciclável

As unidades escolares - Centros Educacionais e Núcleos Infantis, receberão semanalmente as tarefas a serem desenvolvidas
- Publicidade -