Cynara Staack: Entenda o caso do sequestro forjado

Publicado em

- Publicidade -

VEJA TAMBÉM

Empresária de Brusque será processada por forjar seu próprio sequestro diz delegado.

Cynara Staack, 40 anos, forjou o próprio sequestro segundo o delegado de Balneário Camboriú, André de Oliveira. Cynara foi ouvida pelo delegado no final da tarde de ontem (23). Após prestar depoimento e contar como tudo foi planejado ela foi liberada, porém será processada por falsa comunicação de crime.

Acompanhe a cronologia dos fatos que o Click Camboriú preparou para os internautas:

Segunda-Feira, 22.

A mulher que é esposa de um empresário brusquense teria saído de um apartamento em Balneário Camboriú com uma grande quantidade de jóias, às 13h. Por volta das 17h do mesmo dia seu veículo foi encontrado abandonado pela polícia às margens da Rodovia BR-101 ainda em Balneário Camboriú.

Após realizar varredura minuciosa no interior do veículo de Cynara, a polícia constatou que a cena do crime tinha sido forjada. Alguns detalhes chamaram a atenção da polícia. O veículo tinha objetos espalhados estrategicamente no seu interior e possuía ainda duas pedras grandes, sendo que o vidro do carro possuía apenas um buraco. A polícia então prosseguiu com as investigações.

Terça-Feira, 23.

No final da manhã da última terça-feira (23) Cynara ligou para o marido, empresário de Brusque, no exato momento em que ele prestava depoimento, ela disse que estava bem e que não queria que ninguém fosse atrás dela. A empresária estava na casa de um amigo em Canelinha e o veículo Clio que foi utilizado na armação e que proporcionou a fuga da mulher, também estava na mesma residência.

Opós ser localizada, Cynara foi intimada a prestar depoimento e contou ao delegado de Balneário Camboriú, André de Oliveira que forjou seu próprio sequestro. Ela pretendia simular o roubo das jóias para penhorá-las e cobrir um desfalque de 50 mil reais que deu na empresa de seu marido.

Para isso ela contou com a ajuda de dois cabeleireiros de um salão de beleza localizado na Avenida Brasil em Balneário Camboriú. Os mentores foram identificados como Jocinei Alves (32) e Carlos Eduardo Gonçalves (21) eles confessaram que orientaram a mulher para que forjasse o crime, já que ela precisava quitar a dívida com o marido e não tinha como arrumar dinheiro.

No final da tarde de Terça-Feira, após prestarem depoimento, tanto Cynara quanto Jocinei Alves e Carlos Eduardo Gonçalves foram liberados, mas deverão ser processados e responderão por falsa comunicação de crime.

Repórter: Solano Knoblauch da Silva

✉ NEWSLETTER

Receba notícias de BC, Camboriú e Itajaí todos os dias em seu e-mail.

Confirme seu cadastro na próxima tela e ative o cadastro em seu e-mail.
- Publicidade -

VEJA TAMBÉM

- Publicidade -