- PUBLICIDADE -

Dois novos tratamentos disponíveis em Itajaí com uso de imunoterapia

Grupos de pacientes com câncer de pulmão e de mama que tinham tratamento restrito à quimioterapia e radioterapia terão acesso a medicamento experimental em pesquisa clínica

Publicado em

- PUBLICIDADE -

VEJA TAMBÉM

Comece bem o verão com marmitas caseiras da Light Food BC

Por sua qualidade de vida e saúde, nos dias quentes mantenha uma alimentação saudável com as marmitas da Personal Chef Fit Kris Borba

(Divulgação)
(Divulgação)

Uma das novidades dentro da área de pesquisas clínicas vai atender pacientes com câncer de pulmão de pequenas células, que até agora eram tratados com a quimioterapia e a radioterapia. Este tipo de câncer representa hoje 15% dos tumores e é mais comum em fumantes.

O medicamento imunoterápico que será usado nos pacientes está em fase experimental no Brasil e conta com dois anticorpos que estimulam a imunidade para combater o câncer. “Há estudos preliminares que mostraram que a combinação de dois anticorpos atingiu o dobro de resposta quando comparado com apenas um imunoterápico”, pontuou o oncologista responsável pelo Centro de Novos Tratamentos Itajaí, Giuliano S. Borges.

Para ser elegível para participar do estudo clínico, o paciente deve atender os requisitos do protocolo clínico. Entre tais critérios, o paciente deve apresentar resposta ao tratamento de primeira linha à base de platina e ter mais de 18 anos. Em Santa Catarina, o Centro de Novos Tratamentos de Itajaí será o único a receber o protocolo de pesquisa clínica. Além dele, a pesquisa clínica será realizada em outras cidades, como Ijuí, Porto Alegre, Rio de Janeiro, Salvador, Fortaleza, Belo Horizonte, Barretos e São Paulo.

Para pacientes com câncer de mama, o novo medicamento é para quem tem o diagnóstico de câncer de mama triplo-negativo, que é considerado o mais agressivo atualmente e representa cerca de 15% dos diagnósticos. A explicação para tanta agressividade é o rápido crescimento do tumor, o que possibilita a formação de metástases. Ele leva este nome por não possuir os receptores de estrogênio, de progesterona e HER, que tem como tratamento a base hormonal.

Para este tipo de câncer, a quimioterapia ainda continua sendo a única forma de tratamento disponível. Agora, existe um estudo em andamento com uma nova classe de medicamento, chamada imunoterapia. O medicamento é um anticorpo que tem a finalidade de se juntar a uma proteína chamada PD-L1, bloquear algumas interações de outras células e assim buscar combater as cancerígenas.

No Brasil, o estudo vai estar aberto em apenas 4 estados: SC, RS, SP e BA. Em SC nas cidades de Itajaí e Florianópolis, na Bahia em Salvador; no Rio Grande do Sul em Ijuí e Porto Alegre e em São Paulo Capital. No mundo são esperados 900 pacientes para participar do estudo, em aproximadamente 260 centros.


COMENTE ABAIXO ⬇

✉ NEWSLETTER

Receba notícias de BC, Camboriú e Itajaí todos os dias em seu e-mail.

Confirme seu cadastro na próxima tela e ative o cadastro em seu e-mail.
- PUBLICIDADE -

VEJA TAMBÉM

Mesmo com a pandemia, coleta para reciclagem aumentou 31% neste ano

Ainda em 2019, a coleta de recicláveis deu um salto em BC em decorrência da implantação de novas políticas públicas
- PUBLICIDADE -

Enviar mensagem
Envie seu conteúdo
Envie seus flagras e suas denúncias para a redação do Click Camboriú.