- PUBLICIDADE -

Zé da Codetran continua praticando delitos e é novamente preso

Filho e funcionário também foram presos pelo crime de falsidade ideológica

Publicado em

- PUBLICIDADE -

VEJA TAMBÉM

Dia das Mães: Maislaser vai presentear 100 pessoas com 10 sessões de depilação a laser

Ganham as 100 primeiras pessoas que ligarem para (47) 3011-0611 ou 3011-0211, ou entrarem em contato pelo WhatsApp 047 99273-2191

José Alvercino Ferreira quando foi preso pela primeira vez.
José Alvercino Ferreira quando foi preso pela primeira vez.

Três denunciados na “Operação Parada Obrigatória“, deflagrada em Itajaí no ano passado para investigar crimes praticados na coordenadoria municipal de trânsito, foram novamente presos pelo Grupo de Atuação Especial de Combate às Organizações Criminosas (GAECO) nesta terça-feira (19/4).

De acordo com a 8ª Promotoria de Justiça de Itajaí, autora do pedido de prisão preventiva, o ex-Vereador José Alvercino Ferreira, vulgo Zé da Codetran, seu filho Jefferson Alvercino Ferreira, e Anderson Estevão Vaz – apontado como principal “laranja” e funcionário de ambos na empresa Utilicar Veículos – tentaram levantar bens sequestrados pela Justiça na “Operação Parada Obrigatória” utilizando-se de documentos falsificados ideologicamente.

Segundo o Promotor de Justiça Ary Capella Neto, foi fartamente documentado no processo que o ex-Vereador e seu filho são os verdadeiros donos da empresa Utilicar. Mesmo assim, o pedido de levantamento do sequestro partiu de Anderson, por meio de advogado por ele constituído, amparado por procuração outorgada pelas donas da empresa registradas no contrato social ideologicamente falso.

Assim, reiterou o Promotor de Justiça, os três voltaram a praticar o crime de falsidade ideológica, um dos delitos pelos quais já haviam sido denunciados criminalmente, desta vez com a intenção de ludibriar a Justiça para reduzir o prejuízo que suportaram sobre seus ganhos ilícitos. “Ora, se os acusados são capazes de tentar frustrar, por meio da prática de novos crimes, a eficácia de medidas cautelares judicialmente fixadas, o que os impede de adotar o mesmo comportamento obstrutivo em relação à instrução criminas destes autos?”, questionou Capella Neto.

Diante dos fatos apresentados pelo Ministério Público, a prisão preventiva foi deferida pelo Juízo da 1ª vara Criminal da Comarca de Itajaí e cumprida pelo GAECO na manhã desta terça-feira. Os três presos foram encaminhados para o presídio do Complexo Penintenciário do Vale do Itajaí.


COMENTE ABAIXO ⬇

Receba as notícias do Click Camboriú pelo Telegram

✉ NEWSLETTER

Receba notícias de BC, Camboriú e Itajaí todos os dias em seu e-mail.

Confirme seu cadastro na próxima tela e ative o cadastro em seu e-mail.
- PUBLICIDADE -

VEJA TAMBÉM

- PUBLICIDADE -
Enviar mensagem
Envie seu conteúdo
Envie seus flagras e suas denúncias para a redação do Click Camboriú.