- PUBLICIDADE -

Produtos nobres da ceia de Natal estão mais caros em Itajaí

Tradicional bacalhau, porém, teve queda no preço em comparação ao ano anterior

Publicado em

- PUBLICIDADE -

VEJA TAMBÉM

Trader Jader Nogueira exibe ganhos milionários e contraria matéria do Fantástico

Publicação na rede social do influenciador viralizou e pessoas se identificaram

O aumento recente nos preços da carne trará reflexo também na ceia de Natal. A pesquisa do Procon de Itajaí sobre os produtos tradicionais da ceia natalina mostra que alimentos como o pernil suíno, o “Chester Perdigão” e o peru estão mais caros em relação aos preços praticados no mesmo período do ano passado. A coleta de preços, realizada nos dias 09 e 10 deste mês, percorreu oito estabelecimentos da cidade.

O produto com maior aumento no preço médio, comparado ao ano anterior, foi o pernil suíno com osso da marca Seara, com elevação de 39,82%, seguido do “Chester Perdigão” (+ 32,26%), e do peru Perdigão (+ 31,29%). Houve ainda aumento em produtos como uva-passa (+ 77,71%) e pêssego em calda (+ 42,11%).

O tradicional panetone e o chocotone foram os produtos que praticamente mantiveram os preços de 2018, com leve aumento de 0,67%. A pesquisa do Procon revela, inclusive, que algumas marcas de panetone praticam preços menores do que no ano passado.

Já o produto com maior queda no preço médio foi a cereja, com uma diminuição de 44,03%, seguido do bacalhau, com queda no preço de 40,12%. Comparando os produtos de menor preço, observa-se, ainda, uma queda de preços em alimentos como o figo em calda (- 33,39%) e amêndoa sem casca (- 24,50%).

Neste mês, devido ao aumento no consumo, alguns produtos e alimentos tradicionais das festas de fim de ano tendem ficar mais caros. Observa-se, também, diferença de preços entre estabelecimentos, e por isso o Procon orienta os consumidores a pesquisarem esses valores antes da compra.

Vale lembrar que, por determinação legal (Lei estadual 13.098/2004), os estabelecimentos que vendem gêneros alimentícios estão obrigados a divulgar a data de validade dos produtos – inclusive os vendidos a preços menores, em promoções. O Código de Defesa do Consumidor também determina que a oferta e a apresentação de produtos devem assegurar informações claras e ostensivas sobre suas características, preços e prazo de validade, além de outras informações.


COMENTE ABAIXO ⬇

✉ NEWSLETTER

Receba notícias de BC, Camboriú e Itajaí todos os dias em seu e-mail.

Confirme seu cadastro na próxima tela e ative o cadastro em seu e-mail.
- PUBLICIDADE -

VEJA TAMBÉM

UniAvan promove plantão de matrículas neste sábado com desconto exclusivo

Novos alunos ganharão desconto de 20% na primeira mensalidade de cursos presenciais; Quem optar por graduação EAD começa a pagar só em julho de 2021
- PUBLICIDADE -
Enviar mensagem
Envie seu conteúdo
Envie seus flagras e suas denúncias para a redação do Click Camboriú.