- PUBLICIDADE -

Pacientes com perda auditiva revelam progressos com SASA

Em dez anos de existência, serviço adaptou aparelhos auditivos em 9 mil pessoas

Publicado em

- PUBLICIDADE -

VEJA TAMBÉM

Dia das Mães: Maislaser vai presentear 100 pessoas com 10 sessões de depilação a laser

Ganham as 100 primeiras pessoas que ligarem para (47) 3011-0611 ou 3011-0211, ou entrarem em contato pelo WhatsApp 047 99273-2191

divulgação
divulgação

Itajaí – A chaleira está fervendo, mas a dona de casa não ouviu o chiar. Em contrapartida, o som alto da furadeira a incomoda e causa mal-estar. Já o bebê de apenas seis meses de idade reage ao sorriso do pai, mas não responde aos estímulos sonoros. Estes são alguns dos sinais que podem indicar perda auditiva, problema que acomete pessoas de todas as idades e que pode ser revertido com a utilização de um aparelho auditivo. Em dez anos de existência, o Serviço de Atenção à Saúde Auditiva (SASA) da Universidade do Vale do Itajaí (Univali) já adaptou aparelhos em 9 mil pessoas, com atendimento especializado e acompanhamento multidisciplinar que faz a diferença na vida dos pacientes.

Nilva Assunção Travessini Ronchi, 55 anos, quase perdeu as contas de quando começou a frequentar o serviço. Encabulada, ela tentou buscar na memória a sequência dos fatos. Passados alguns minutos, Nilva revelou que o seu encaminhamento para o SASA foi em 2012. Porém, somente em 2015, ela adaptou o aparelho auditivo. Emocionada, a paciente admite que no início não aceitou o diagnóstico e, há seis meses, mudou de ideia graças ao acolhimento e confiança na equipe. “Não devia ter esperado tanto, eu não aceitava a minha condição. Fiquei depressiva e tive que me afastar do trabalho. Minha comunicação era restrita”, desabafa a paciente.

Engana-se quem pensa que o trabalho da equipe do serviço termina na colocação do aparelho. Quando adaptaram o aparelho auditivo em Nilva pela primeira vez, ela voltou depois de 20 dias disposta a tirá-lo. “Parecia que eu ia estourar, tudo incomodava. Então, regularam o volume por duas vezes e eu sigo em atendimento, porque preciso ativar minha memória, desacostumei a ouvir e falar”, comenta, no intervalo do atendimento com a fonoaudióloga Ana Maria de Almeida.

A cabeleireira Dayane Samara Tavares, 30, mãe do pequeno Otávio, 3, declara que fica mais tempo no SASA do que em casa. Ela chama as profissionais do serviço de anjos protetores. Aos seis meses de idade os pais do garoto buscaram ajuda profissional e foram encaminhados pela rede pública para o serviço na Univali. O menino era muito quietinho, só dormia e a família percebeu que havia algo diferente que precisava ser investigado.

Otávio passou por testes e foi diagnosticado com 50% de audição em um lado, e 40% no outro. Quando completou um ano, Otávio colocou o aparelho auditivo bilateral. Hoje, ele frequenta a escola regular, participa de programas de estímulos e é atendido no serviço da Univali. “Eu acompanho os atendimentos e também aprendo com eles. Acho importante isso, porque trabalhamos em casa de forma integrada, como se fosse uma extensão do serviço”, defende a mãe.

Estudo revela que 7% da população itajaiense tem perda auditiva

A perda auditiva é um problema que não se limita aos idosos. Segundo dados da Organização Mundial de Saúde (OMS) de 2013, 16% da população mundial sofre com a doença, sendo que, destes, 76% das pessoas têm mais de 15 anos e 24% dos atingidos têm até 15 anos. Em Itajaí (SC), um estudo feito em 2012 pela equipe do SASA revelou que 7% da população tem perda auditiva incapacitante, ou seja, num nível que compromete a comunicação.

O SASA atende a população de 53 municípios do Vale, Médio Vale e Alto Vale do Itajaí. A equipe é formada por 16 profissionais, entre os quais, dez fonoaudiólogos, dois otorrinolaringologistas, uma neuropediatra, uma assistente social e duas psicólogas, que realizam diagnósticos e tratamentos de alterações auditivas.

Em média são feitos 1,6 mil agendamentos por mês e 7,5 mil atendimentos por ano no serviço. Em dez anos, foram adaptados aparelhos em 9 mil pessoas, sendo que 71% delas colocou nas duas orelhas. Vale ressaltar que, 55% destes pacientes têm mais de 60 anos, 31% deles têm entre 15 e 59 anos, 11% possui idade entre 4 e 15 anos, e 3% tem menos de 4 anos.

Serviço comemora dez anos em evento

Nos dias 12 e 13 de maio ocorre o 6º Encontro da Saúde Auditiva da Univali, no auditório IV, do bloco E1, do Campus Itajaí. O evento reúne profissionais e acadêmicos da educação e da saúde, e marca os dez anos de implantação do SASA da Univali. A programação completa e as inscrições para o evento estão disponíveis clicando aqui.


COMENTE ABAIXO ⬇

Receba as notícias do Click Camboriú pelo Telegram

✉ NEWSLETTER

Receba notícias de BC, Camboriú e Itajaí todos os dias em seu e-mail.

Confirme seu cadastro na próxima tela e ative o cadastro em seu e-mail.
- PUBLICIDADE -

VEJA TAMBÉM

- PUBLICIDADE -
Enviar mensagem
Envie seu conteúdo
Envie seus flagras e suas denúncias para a redação do Click Camboriú.