- PUBLICIDADE -

Morador de Balneário Camboriú morre em acidente com tirolesa em Iraí/RS

Sandro Marcos da Silva, 49 anos, morreu após bater no telhado de uma casa

Publicado em

- PUBLICIDADE -

VEJA TAMBÉM

Comece bem o verão com marmitas caseiras da Light Food BC

Por sua qualidade de vida e saúde, nos dias quentes mantenha uma alimentação saudável com as marmitas da Personal Chef Fit Kris Borba

A vida de Sandro Marcos da Silva, de 49 anos, era dedicada aos esportes radicais – atividades de perigo que eleva a adrenalina do corpo devido às condições extremas de velocidade, altura e outros fatores, onde um pequeno erro pode ser fatal. E foi justamente por uma falha durante um teste de equipamento, que o esportista faleceu nesta terça-feira (8) – “trabalhando com o que ele mais amava”, segundo familiares.

Morador de Balneário Camboriú, Sandro era fundador do Projeto Aventuras Tirolesas do Brasil, especializado na montagem de tirolesas, circuitos de arvorismo e paredes de escalada.

Ele estava acompanhado de suas duas filhas adolescentes em Iraí/RS, município de 7,2 mil habitantes que faz divisa com Santa Catarina, para colocar em funcionamento a terceira maior tirolesa do país, com 1.680 metros, que havia sido contratado para instalar.

O experiente paraquedista e base jumper, que foi um dos atletas que saltou do edifício Yachthouse em novembro de 2017, morreu ao bater no telhado de uma casa durante o percurso da tirolesa que seria inaugurada no próximo sábado (11).

Segundo o delegado que investiga o caso, Ercílio Carletti, Sandro bateu na casa porque o cabo distensionou. Ele pediu uma vistoria na tirolesa, suspeitando que o calor superior a 30ºC possa ter distendido o cabo de sustentação. “Apenas a perícia vai poder apontar o que de fato aconteceu com o equipamento”, disse.

Os moradores da casa onde Sandro caiu não foram atingidos.

20 ANOS DE EXPERIÊNCIA

Ao GaúchaZH, o engenheiro Murilo Wehle contou que o zelo de Sandro o fazia ser conhecido como “o cara chato da segurança”.

— Duvido muito que ele tenha pulado algum procedimento, porque tinha muita experiência no ramo. Até agora, não tenho respostas para o que aconteceu. Foi o primeiro incidente dele e também o mais difícil de acreditar — disse o engenheiro, responsável pelo estudo de viabilidade da tirolesa. À ele, surpreendeu que Sandro tenha se lançado na travessia. Pois, pelo procedimento padrão, o teste da travessia é realizado primeiramente com um boneco.

Fernando de Rossi, Dono da Irahy Ecoparque, que contratou a empresa de Sandro e irá operar o equipamento, relatou que o paraquedista estava fazendo testes no cabo de aço, que havia sido tensionado no sábado (4), e sido advertido a evitar a descida. No entanto, ele teria decidido se arriscar porque, se necessário, saltaria de paraquedas.

— Tendo mais de 20 anos de experiência, ele sabia o que estava fazendo — comenta Fernando.

O sepultamento de Sandro Marcos ocorre na manhã desta quinta-feira (09), no cemitério municipal de Camboriú. Ele deixa três filhos e esposa.


COMENTE ABAIXO ⬇

✉ NEWSLETTER

Receba notícias de BC, Camboriú e Itajaí todos os dias em seu e-mail.

Confirme seu cadastro na próxima tela e ative o cadastro em seu e-mail.
- PUBLICIDADE -

VEJA TAMBÉM

Mesmo com a pandemia, coleta para reciclagem aumentou 31% neste ano

Ainda em 2019, a coleta de recicláveis deu um salto em BC em decorrência da implantação de novas políticas públicas
- PUBLICIDADE -
Enviar mensagem
Envie seu conteúdo
Envie seus flagras e suas denúncias para a redação do Click Camboriú.