- PUBLICIDADE -

Vereadores questionam aumento no valor das faturas da Águas de Camboriú

Vereadores se reuniram com a concessionária e questionaram investimentos realizados pela empresa

Publicado em

- PUBLICIDADE -

VEJA TAMBÉM

Como a cannabis medicinal tem ajudado famosos e não famosos

A Huniq, empresa de cannabis medicinal instalada em Itajaí, é responsável pelo tratamento das quatro histórias apresentadas nessa reportagem
Divulgação
Divulgação

Em resposta a um requerimento apresentado pelo vereador Toninho Portella, os representantes da concessionária Águas de Camboriú participaram de uma reunião na Câmara, na tarde desta quinta-feira (23). O objetivo do encontro foi de esclarecer dúvidas da população, como aumento nas faturas e qualidade do atendimento.

O vereador José Simas, o Zeca Simas, reclamou do atendimento prestado e disse que na época foi a favor da terceirização, mas hoje acha que a prestação do serviço deixa a desejar.  Já o vereador José Pedro da Costa, o Zé Pedro, questionou os profissionais sobre o cronograma de obras e os investimentos já realizados. Para ele, a terceirização da água aconteceu para ter um resultado positivo. Porém, até o momento o efeito ainda é negativo.

“O que já foi feito em Camboriú? E o que a empresa entende por atendimento? Quem reclama são os mais pobres, quem mais precisa, e com razão. Está faltando aproximação e atenção com os moradores”, comenta ele. O vereador ainda completou, dizendo que houve melhora em relação à última temporada de verão, mas nos últimos meses a qualidade do serviço decaiu.

Sobre os atendimentos, a supervisora comercial da unidade, Silvane de Oliveira Vieira, explicou que todos os atendentes são moradores de Camboriú e passam por treinamento. “Muitas vezes acontece do morador chegar muito nervoso no escritório e não conseguirmos atender. Pedimos também um pouco de calma. Queremos que o consumidor venha até a empresa para conversarmos, mas muitas vezes ele procura primeiro as autoridades e a mídia, antes mesmo de nos questionar”, explica.

Falta de água e faturas altas

Durante a reunião os vereadores ainda questionaram a empresa sobre a cobrança e a falta de água em muitas residências. A vereadora Márcia Regina Freitag disse que não entende a razão de um aumento nas faturas. “Essa é a nossa maior dúvida, porque aumentou tanto?”, questionou ela. A vereadora Jane Stefenn complementou, explicando que em algumas faturas o aumento ultrapassou os 100%.

O coordenador de operações da Águas de Camboriú, Gabriel Fasolla, explicou que o aumento nos valores pode ter acontecido por vários motivos, como a troca de hidrômetros antigos que estavam defasados, o consumo maior do que normal ou vazamento de água. “Nossa equipe também está fazendo a atualização do cadastro, considerando as categorias que existem. Se um morador saiu de uma categoria e passou para outra, pode ter alteração no valor”.

Ainda de acordo com o coordenador, outro motivo que pode ter aumentado o valor das faturas é a taxa mínima de água. Conforme ele explica, se um terreno possui mais de uma residência, cada uma delas pagará o valor de uma taxa – independente de haver somente um hidrômetro no lote.

Logo após a reunião, a vereadora Jane fez seu discurso na tribuna falando sobre o assunto. “Eu só posso dizer: eu avisei. Para mim, a maior dúvida não ficou esclarecida, que é a situação dos aumentos. Tenho exemplos de valores absurdos, uma conta de R$82,00 por exemplo, passar para mais de R$300,00”, completa. “Nem posso culpar a Águas de Camboriú pelo que está acontecendo, porque se hoje o povo está pagando, a culpa é do Executivo que nunca cumpriu nenhuma promessa em relação à antiga Secretaria de Saneamento, e deixou chegar nesse ponto”.


COMENTE ABAIXO ⬇

Telegram: participe do canal do Click Camboriú

✉ NEWSLETTER

Receba notícias de Balneário Camboriú e região em seu e-mail.

⚠ Confirme na próxima tela e ative o cadastro em seu e-mail.
- PUBLICIDADE -

VEJA TAMBÉM

Imobiliária de Balneário Camboriú aluga imóvel em até 30 dias ou paga o condomínio

A imobiliária promete alugar o imóvel em até 30 dias, ou pagar o condomínio ao proprietário
- PUBLICIDADE -