- PUBLICIDADE -

Vereadora de Itajaí questiona paralisação das obras de loteamento popular

Além de questionar a situação, a vereadora requereu documentos que demonstrem o andamento da construção e como era feita a fiscalização por parte da prefeitura

Publicado em

- PUBLICIDADE -

VEJA TAMBÉM

Desenvolva as suas habilidades e competências de Liderança

Programas de MBA e Masters da Tear Escola de Negócios englobam participantes com ou sem graduação e é semipresencial com duração de 12 meses

Davi Spuldaro/divulgação
Davi Spuldaro/divulgação

A paralisação das obras do condomínio popular São Francisco de Assis é alvo de questionamentos da vereadora Anna Carolina Martins (PSDB). Um requerimento de autoria da parlamentar direcionado ao executivo e à Caixa Econômica Federal será apreciado amanhã (22) na Câmara de Vereadores.

“São quase 500 unidades habitacionais que ajudariam as pessoas mais carentes da nossa cidade. Por outro lado, desoneraria os cofres públicos, pois há anos a Prefeitura arca com o aluguel social. A operação Dupla Face do Gaeco também apontou fortes indícios de corrupção envolvendo o projeto, por tudo isso a paralisação dessa obra precisa ser minuciosamente investigada”, afirma a parlamentar.

As obras de terraplanagem no terreno da localidade de Volta de Cima, no bairro Salseiros, começaram ainda no segundo semestre de 2013, realizadas pela empreiteira Baltt. Sete meses depois, em fevereiro de 2014, representantes do município, da CEF e da empresa Itaipu Empreendimentos CCI Ltda assinaram o contrato para o início das obras. Na época a prefeitura noticiou que a obra seria concluída dentro de um ano e três meses. Na última semana, mais de dois anos depois da assinatura do contrato, a empresa anunciou oficialmente que abandonou as obras do condomínio.

No final do ano passado as obras do residencial ganharam destaque na mídia, depois que investigações do Gaeco apontaram uma fraude envolvendo o projeto. Na ocasião, dois agentes públicos (um atual vereador e um suplente) teriam participado do esquema.

t. Anna também indagou quais as ações tomadas pelo poder público municipal para apurar e, caso necessário, punir os agentes públicos envolvidos com os supostos esquemas de corrupção a cerca do projeto.

Também foi solicitada a cópia de todos os contratos firmados entre o município e a iniciativa privada que envolva o empreendimento, bem como dos convênios realizados entre a prefeitura e o Ministério das Cidades. “É necessário apurar exatamente o que houve para dar uma resposta à população”, frisa.


COMENTE ABAIXO ⬇

Receba as notícias do Click Camboriú pelo Telegram

✉ NEWSLETTER

Receba notícias de BC, Camboriú e Itajaí todos os dias em seu e-mail.

Confirme seu cadastro na próxima tela e ative o cadastro em seu e-mail.
- PUBLICIDADE -

VEJA TAMBÉM

Dia das Mães: Maislaser vai presentear 100 pessoas com 10 sessões de depilação a laser

Ganham as 100 primeiras pessoas que ligarem para (47) 3011-0611 ou 3011-0211, ou entrarem em contato pelo WhatsApp 047 99273-2191
- PUBLICIDADE -
Enviar mensagem
Envie seu conteúdo
Envie seus flagras e suas denúncias para a redação do Click Camboriú.