- PUBLICIDADE -

Golpista que escravizava modelos é preso em Balneário Camboriú

Além das longas jornadas de trabalho sem salário, modelos também sofreram abuso sexual

Publicado em

- PUBLICIDADE -

VEJA TAMBÉM

Camboriú Play recebe o youtuber Natan Por Aí nesta sexta-feira, 12

O podcast acontece ao vivo às 13h30, pelo canal do Camboriú Play no YouTube
ANTÔNIO JOSÉ DE BARROS SAVINO
Divulgação

No fim da tarde desta sexta-feira (2), or volta das 18h, a Polícia Militar prendeu um foragido da justiça, responsável por uma falsa agência de modelos, acusado de escravizar mais de dez vítimas.

Após recebimento de informações acerca de um foragido do Estado do Rio de Janeiro, foi dado cumprimento ao Mandado de Prisão Preventiva em desfavor de Antônio José de Barros Savino, de 46 anos. Ele responde pelo crime de redução à condição análoga de escravo.

Antônio e um comparsa, Maicon Rodrigo da Cunha, haviam montado um esquema que prometia fama e sucesso a jovens do interior. Os criminosos atraíam as vítimas pela internet usando as redes sociais, com a promessa de que entrariam no mundo artístico e seriam famosos.

As vítimas se mudavam para o Rio de Janeiro para morar em um alojamento. Os criminosos ficavam com documentos e cartões de banco das vítimas, e quando elas descobriam que se tratava de um golpe, passavam a sofrer ameaças. Além das longas jornadas de trabalho sem salário, os garotos contaram que também foram vítima de abuso sexual.

Segundo o portal G1, a mãe de uma das vítimas, acreditando que investia na carreira do filho, fez depósitos que totalizam R$ 500 mil e chegou a vender a casa.

Antônio, que estava foragido desde novembro de 2016, foi conduzido para o Presídio da Canhanduba.


COMENTE ABAIXO ⬇

Telegram: participe do canal do Click Camboriú

✉ NEWSLETTER

Receba notícias de Balneário Camboriú e região em seu e-mail.

⚠ Confirme na próxima tela e ative o cadastro em seu e-mail.
- PUBLICIDADE -

VEJA TAMBÉM

Como a cannabis medicinal tem ajudado famosos e não famosos

A Huniq, empresa de cannabis medicinal instalada em Itajaí, é responsável pelo tratamento das quatro histórias apresentadas nessa reportagem
- PUBLICIDADE -