Gêmea prematura recebe alta após tratamento intensivo no HMRC

Publicado em

- Publicidade -

VEJA TAMBÉM

A turista Maria Musso, 20 anos, era gestante e estava a passeio em Balneário Camboriú, quando a bolsa rompeu com apenas 28 semanas de gestação (seis meses). Grávida de gêmeas, Maria deu à luz duas meninas prematuras no Hospital Municipal Ruth Cardoso (HMRC), onde uma delas permanece internada na Unidade de Terapia Intensiva (UTI) Neonatal e deve ganhar alta nesta sexta-feira (5). A outra, já está bem e em casa, nos braços da mãe.

De acordo com a médica Danielle Gutierres, também diretora técnica da UTI Neonatal do HMRC, “cada caso é um caso”, e que mesmo sendo gêmeas, o desenvolvimento percorre de maneira diferenciada.

“Aqui no Hospital, principalmente na UTI, utilizamos tudo o que a tecnologia possa nos oferecer, e o que realmente seja necessário para o processo de amadurecimento e desenvolvimento dos recém-nascidos, sendo eles prematuros ou não, para mantê-los em ambiente aquecido e úmido. Como também, manter a nutrição deles simulando o cordão umbilical, preservando a vida como se ainda estivessem em ambiente uterino”, explicou.

A médica contou também que em casos de prematuros, o uso de terapias, na parte respiratória e cardiovascular por exemplo, geralmente tornam-se essenciais: “Esse processo de cuidados especiais foi o que salvou as gêmeas e continua salvando a maioria dos bebês que passa por ali”.

Quando um bebê nasce abaixo de 37 semanas de idade gestacional é considerado prematuro. E, foi através de uma delicada cesariana que Maria Júlia foi a primeira a nascer, no dia 14 de março deste ano, com apenas 845 g, e também a primeira a ganhar alta no dia 14 de junho, exatamente três meses depois, devido ao melhor desenvolvimento. Já a pequena Maria Josefina, nasceu com 670 g e está contagem regressiva para sair do Hospital.

Ao chegar no HMRC, toda gestante é encaminhada para o atendimento pediátrico – onde é definido o momento certo do parto sob indicação obstétrica. A UTI Neonatal do Hospital conta com uma equipe formada por oito médicos neonatologistas; quatro enfermeiros; uma enfermeira coordenadora e 20 técnicos de enfermagem.

Por ser a única que mantêm dez vagas de leitos, a UTI Neonatal do HMRC é referência na região litoral norte de Santa Catarina para atender prematuros que têm até 28 dias de vida. Cidades como Itapema, Porto Belo, Bombinhas, Tijucas, Navegantes, entre outras listadas pelos funcionários, são atendidas diariamente no local. A Central de Regulação de Leitos de UTI é responsável por encaminhar os pacientes de risco antes do procedimento. Em caso de vaga disponível o HMRC, pode receber paciente de qualquer lugar de Santa Catarina, que seja determinado por essa Central, por meio da regulação estadual.

✉ NEWSLETTER

Receba notícias de BC, Camboriú e Itajaí todos os dias em seu e-mail.

Confirme seu cadastro na próxima tela e ative o cadastro em seu e-mail.
- Publicidade -

VEJA TAMBÉM

- Publicidade -