- PUBLICIDADE -

COSIP e empresas de telecomunicação organizam fiação dos postes da Avenida Atlântica

Outros pontos da cidade também receberão a força-tarefa

Publicado em

- PUBLICIDADE -

VEJA TAMBÉM

Camboriú Play recebe o youtuber Natan Por Aí nesta sexta-feira, 12

O podcast acontece ao vivo às 13h30, pelo canal do Camboriú Play no YouTube
Cosip 07 12 17 Foto Celso Peixoto 7 edited
Divulgação

Dando sequência às ações para organizar os fios dos postes de iluminação pública de Balneário Camboriú, a Contribuição para Custeio de Serviço de Iluminação Pública (COSIP) está realizando uma força-tarefa na Avenida Atlântica com empresas de telecomunicação. O trabalho, iniciado na quarta-feira (06), ocorre simultaneamente à manutenção que a autarquia faz na Avenida.

A força-tarefa, que começou em 22 de novembro pelo Calçadão da Avenida Central, objetiva resolver o problema do uso desorganizado dos postes de iluminação pública. Além de causar poluição visual, os cabos e fios instalados de forma desordenada dificultam o trabalho de manutenção da COSIP.

Participam da força-tarefa empresas convocadas com base no cadastro na Celesc. O trabalho na Avenida Atlântica teve início na Barra Sul e deve terminar nesta sexta-feira (08), no Pontal Norte. As equipes das empresas têm de retirar cabos de clientes que solicitaram a desconexão dos serviços, reorganizar a fiação que estava desordenada e adequar as entradas de cabos de telefonia dos prédios locais. Empresas que não adequarem os materiais poderão ter os fios cortados.

De acordo com o gestor da COSIP, Anderson dos Santos, manter os fios de telecomunicação organizados é responsabilidade das empresas. Outros pontos da cidade também receberão a força-tarefa.


COMENTE ABAIXO ⬇

Telegram: participe do canal do Click Camboriú

✉ NEWSLETTER

Receba notícias de Balneário Camboriú e região em seu e-mail.

⚠ Confirme na próxima tela e ative o cadastro em seu e-mail.
- PUBLICIDADE -

VEJA TAMBÉM

Como a cannabis medicinal tem ajudado famosos e não famosos

A Huniq, empresa de cannabis medicinal instalada em Itajaí, é responsável pelo tratamento das quatro histórias apresentadas nessa reportagem
- PUBLICIDADE -