Na noite desta segunda-feira, 12.mar.2019, moradores, vereadores, representantes da empresa Praiana/CTT e demais autoridades se reuniram para debater o futuro do transporte público em Camboriú. O vereador John Lenon Teodoro (PSDB), autor do requerimento que convocou a Audiência, conduziu o debate que se iniciou às 19h30 e seguiu até, aproximadamente, 22h40.

Representantes de cada bairro e/ou localidade tiveram a oportunidade de se pronunciar e compartilhar as dificuldades encontradas ao utilizar o serviço da empresa. A principal queixa foi a mudança de horários causadas pela integração, uma ação proposta pela Praiana/CTT em 11 de fevereiro, que prometia melhorias no serviço e aumento do número de linhas dentro do município e entre as cidades vizinhas.

Apesar ter como objetivo a melhoria, todos os usuários demonstraram insatisfação com a mudança. Moradores da localidade de Macacos comentaram que agora o ônibus que antes ia direto para o centro da cidade precisa passar pelo Braço. “As pessoas estão se atrasando para o trabalho ou preferindo andar a pé, a depender do ônibus”, comentou Fabiana, representante do Bairro.

O problema com os atrasos para chegar ao trabalho em Balneário Camboriú e Itajaí foi relatado por usuários do Santa Regina, Areias e Monte Alegre. Os moradores do bairro São Francisco de Assis falaram que há dificuldade para vir até o centro de Camboriú e que a população está preferindo andar a pé.

Estudantes também se uniram e participaram da audiência. Relembraram ao Gerente Administrativo da Viação Praiana, Rafael Werner Seara, que o direito à educação é garantido por lei e que este direito começa no transporte. Os alunos da localidade do Macacos que estudam no Instituto Federal Catarinense, localizado no centro de Camboriú, estão chegando atrasados e precisam sair 15 minutos antes do fim das aulas para conseguir pegar o ônibus de volta para casa.

Após ouvir as reclamações, reivindicações e sugestões dos usuários, Rafael Seara, usou a palavra para explicar como foi feita a integração e como o problema poderia ser resolvido. Em meio a interrupções do público, o gerente administrativo admitiu que o projeto de integração foi divulgado de maneira confusa e que a empresa deveria ter usado outras estratégias para preparar os usuários para as mudanças. Comprometeu-se a retornar os horários dos ônibus CTT na localidade do Macaco e Braço, mas justificou que muitas vezes o veículo passa vazio pelos locais.

Rafael contou que a integração começou a ser planejada há muito tempo e que só foi aplicada após vários estudos sobre as rotas. “O contrato da concessão assegura 48 horários diferentes para o município, com a integração estamos oferecendo 56 horários, mas se a população deseja que volte como era antes, tudo bem”, respondeu, explicando que para que novas mudanças sejam realizadas é preciso tempo e preparação.

Diante disso, os moradores solicitaram que a empresa disponibilize uma carta onde explica a situação para que os usuários não sejam mais prejudicados em seus trabalhos devido à falta e atrasos. O gerente respondeu ainda casos pontuais apresentados pelos presentes e garantiu que dará atenção a eles.

Participaram da Audiência Pública os vereadores de Camboriú, Adriano Gervásio, Amilton Bianchet, Ângelo Gervásio, Claudinei Loos, Fabiano Olegário, Inalda do Carmo, Jane Stefenn, Josué Pereira, Márcia Freitag, Márcio Pereira, além de John Lenon Teodoro, que reivindicou a audiência e o Presidente da Casa Legislativa, José Simas. Ramon Jacob, vice-prefeito também participou, assim como Hélio Derene, procurador do município.

Os vereadores de Balneário Camboriú, Patrick Machado, Nilson Probst, Marcelo Achutti, Leonardo Martins Machado, mais conhecido como Piruka e Aldemar Pereira, o Bola, também participaram. O deputado estadual, Ivan Naatz também esteve presente.


COMENTE ABAIXO ⬇

resposta(s) publicada(s). (Obs.Os comentários aqui publicados são de responsabilidade dos usuários e não representam a opinião do site)