Além das votações, a sessão contou com a presença do palestrante Ainor Lotério, que falou durante o grande expediente sobre a importância de preservarmos os laços da família. (Divulgação)

Em meio a debates calorosos e muita reflexão, os vereadores aprovaram, na noite de terça-feira (16), o Projeto de lei nº 014/2017 do executivo referente a um empréstimo de R$2 milhões junto ao Badesc – Agência de Fomento do Estado de Santa Catarina S/A. Segundo o projeto a verba seria destinada para a aquisição de equipamentos e de realização de empreendimentos comunitários.

O vereador Amilton Bianchet (PSDB), fez pedido de vista do projeto em primeira votação, porém o pedido foi negado pela maioria dos presentes. “Precisamos ter cautela, afinal são apenas quatro meses de mandato. Vamos fazer empréstimos a cada quatro meses?”, alegou o vereador.

Na última semana, o vice-prefeito Ramon Jacob compareceu à Câmara Municipal para esclarecer que o dinheiro seria para um caminhão hidrojato e um outro veículo para executar o serviço de cata-galho na cidade, porém o vereador Mito ressalta que estes equipamentos não estão descritos com clareza no projeto.

Os vereadores John Lenon Teodoro e José Simas concordaram e por isso, em segunda votação apresentaram a seguinte emenda: “A adesão ao Programa Badesc Cidades propiciará o aporte de recursos ao município, para o financiamento nas linhas de crédito de aquisição de equipamentos comunitários novos, realização de empreendimentos comunitários e obras do sistema viário para garantir a mobilidade urbana”.

A emenda segundo John é fundamental para proporcionar ao executivo a oportunidade de investir o valor em mobilidade urbana. “Faltou planejamento na hora de fazer este projeto. Precisamos pensar no macro e não se ater apenas a um problema pontual” destacou o vereador.

Já o vereador Ângelo Gervásio (PMDB) afirmou que Camboriú possui um crédito com o Badesc, que é um programa destinado a cooperar na melhoria de alguns segmentos das cidades, por isso o empréstimo é uma boa opção. “O objetivo dessas compras é acabar com a terceirização, é uma economia em longo prazo. Vai sobrar R$1,2 milhão (do empréstimo) e o vice-prefeito veio até à Câmara pedir a opinião dos vereadores sobre o que fazer com este valor, isto é ser transparente”, defendeu.

Por fim, o projeto e a emenda foram aprovados por maioria dos presentes.


COMENTE ABAIXO

Os comentários aqui publicados são de responsabilidade dos usuários e não representam a opinião do site.