Crédito: Daniella Rodrigues

O vereador Lucas Gotardo recebeu, nesta quinta-feira (09), Helvys Zermiani, arquiteto e urbanista da Secretaria de Planejamento de Balneário Camboriú para debater a continuidade da implantação do Complexo Aquático, no terreno ao lado do do 13º Batalhão do Corpo de Bombeiros. A reunião também contou com a presença de representantes da Fundação Municipal de Esportes (FME), professor Charles Silva e Sandro Katzwinckel além do Coronel Eduardo Haroldo de Lima, do Corpo de Bombeiros.

Piscina semi-olímpica, piscina para hidroterapia, salas de atividades, auditório, lanchonete e academia são algumas das estruturas projetadas para o Complexo Aquático. O empreendimento tem como objetivo servir de treinamento para guarda-vidas, guarda-vidas mirins e também para alunos da rede municipal de ensino. “Pensamos em algo que atenda as necessidades do município, mas que também possa ser ampliado futuramente”, diz o Vereador Lucas Gotardo.

O Coronel De Lima comentou que a principal necessidade do Corpo de Bombeiros é a piscina e as raias. “Penso que seria interessante ampliar o uso dessas piscinas para a Secretaria do Idoso e também a Secretaria de Educação, que fariam um excelente uso de toda a estrutura do complexo. Salas de treinamento nós já temos, mas precisamos da piscina semi-olímpica”, ressalta.

Uma sala de fisioterapia também é uma das demandas da FME. “Penso que falta um lugar para a recuperação dos atletas e esse complexo seria ideal. E achei bacana que tem uma academia no projeto, isso é muito importante para complementar os treinos”, afirma o professor Silva.

O vereador Lucas Gotardo ficou satisfeito com o trabalho apresentado por Zermiani. “Temos que trabalhar em conjunto, abraçar a causa. Acho válida a construção desse empreendimento, porque não vai ajudar apenas o Corpo de Bombeiros, mas também a prefeitura. Então temos que fazer com que esse sonho vire realidade” conclui.

Complexo Aquático

O empreendimento foi projetado com uma piscina semiolímpica de 25 metros e 10 raias, e uma piscina menor, para hidroterapia e outras atividades. Também terá um auditório, uma sala de reuniões, uma academia, cinco salas de atividades, vestiários, paredes e tetos de vidros a fim de aproveitar a luz natural para iluminar os ambientes. A ideia é que os materiais utilizados sejam vidro, metal e concreto, que são de fácil montagem e rápida conclusão da obra. O próximo passo será o estudo de custeio e captação de recursos para a implementação e a manutenção do complexo.


COMENTE ABAIXO

Os comentários aqui publicados são de responsabilidade dos usuários e não representam a opinião do site.